AGENDA RIBEIRÃO

7a edição do Agenda Ribeirão debate a retomada econômica pós crise sanitária

Evento com palestra do jornalista econômico Carlos Alberto Sardenberg destaca cenário brasileiro, com perspectivas econômicas, caminhos e desafios


2021-09-15T17:31:00




Carlos Alberto Sardenberg
Na manhã desta terça-feira, 14/09, foi realizada a 7a edição do Agenda Ribeirão. O evento contou com a presença de autoridades do estado, além de especialistas e formadores de opinião. O palestrante, jornalista e comentarista econômico, Carlos Alberto Sardenberg, discursou sobre o tema "O Brasil pode dar certo?", trazendo pontos e levantando questões a respeito da retomada da economia, no contexto atual. 

Sardenberg usou a Gripe Espanhola e a Segunda Guerra Mundial como exemplos de crises que, após terminadas, foram substituídas por uma grande retomada econômica. No entanto, o jornalista ressalta que esse processo não é automático. "Historicamente falando, são dois momentos de um processo intenso e rápido para retomar a economia, e existem pessoas que interpretam estes eventos como uma regra, sendo que não funciona desse jeito. Isso depende da tomada de decisões econômicas corretas". 

Seguindo neste mesmo tom, o jornalista destacou como o agronegócio tem um grande desafio pela frente, mas que ao mesmo tempo é uma ótima oportunidade de se mostrar forte e capaz. Sardenberg, porém, ressalta que a tecnologia é um fator primordial para o futuro. "Ao mesmo tempo que o Brasil tem capacidade de produzir 50% da alimentação mundial, existe a necessidade que a tecnologia ajude nesta etapa, sendo necessário produzir mais com menos insumos. Então vemos o Brasil perante uma oportunidade espetacular e ao mesmo tempo de um desafio espetacular, que é se tornar ambientalmente sustentável. Nós sabemos fazer isso, mas precisamos garantir o avanço tecnológico para os próximos anos". 

Com base no Relatório de Mercado do Banco Central, emitido semanalmente, o palestrante se aprofundou e falou sobre as previsões de inflação para os próximos anos. Sardenberg traduziu os números e explicou os pensamentos de investidores perante o cenário atual e futuro. "Com os indicadores básicos: projeção para a inflação, PIB, taxa de juros, taxa de câmbio etc. Toda semana o Banco Central publica esses relatórios, e a cada novo relatório, as perspectivas mudam. Isso significa instabilidade, significa que os investidores não têm confiança em fazer seu trabalho aqui. A perspectiva de inflação há quatro semanas era 7%, ontem já mudou para 8%, números muito acima do que foi previsto em janeiro deste ano". 

Sardenberg alertou sobre a questão da vacinação, que embora seja um ótimo indicativo para a retomada da economia, ainda não garante a estabilidade econômica. "Imaginando que em 2022 com a maior parte da população já vacinada com as duas doses, a abertura da economia se torna possível, mas isso não permite uma decolagem muito forte, pois estaríamos com os problemas estruturais de antes da pandemia, como o sistema tributário". 

Para Sardenberg, existe um caminho a ser percorrido. Este caminho passa por privatizações, sistema tributário e pela política. "Nós gastamos muito dinheiro na pandemia, mas gastamos mal, tivemos resultados ruins. Precisamos de reformas estruturais, tributárias e privatizações, especialmente reformas administrativas, com objetivo de estimular o investimento privado e reduzir o gasto público". 

O palestrante relembrou que a polarização política não gera frutos de boa perspectiva para o país, e que somente uma política que faça a intermediação entre interesses dos dois lados políticos. "A ideia de política de centro é acomodar as perspectivas dos diversos setores da economia. Não pode haver um "nós contra eles", ainda mais no Brasil que nós temos 30 partidos. Quem for eleito presidente será minoria no congresso". 

Sardenberg concluiu dizendo que "precisamos realizar grandes esforços para o setor privado e a tecnologia, para a energia, porque isso irá secar, e procurar ter uma atuação política não polarizada. Tudo somado e subtraído, eu acho que a recuperação da economia seguirá desigual. Teremos pontos fortes e um bom processo de recuperação nos estados em que o setor agro vai bem, mas também haverá outra parte do país que estará bem atrasada nesses setores que eu citei". 

O Agenda é um ciclo de palestras e debates já tradicional no calendário de eventos do Estado de São Paulo. É uma realização da OA Eventos, empresa do Grupo EP. André Coutinho Nogueira, Copresidente do Grupo EP, abriu o evento, destacando os motivos para escolher o tema do evento da 7ª edição do Agenda Ribeirão. "O tema foi escolhido porque vivemos um evento grande e de muita dificuldade, que é a pandemia, e porque após crises como esta, geralmente há uma retomada econômica muito intensa. Outro motivo que nos levou a escolher o tema é porque no Brasil nem tudo é fácil, e isso acaba exigindo muitos esforços e manobras".
 
Autoridades públicas no evento 
 
Duarte Nogueira
O prefeito de Ribeirão Preto (SP), Duarte Nogueira, subiu ao púlpito para agradecer o debate sobre o tema. "Na minha gestão, eu faço o uso dos "Ps". Priorizar, planejar, propagar, persistir e perenizar. Nestes moldes, conseguimos no primeiro mandato sanar as dívidas que a cidade tinha, e agora, no segundo mandato, podemos fazer investimentos em infraestrutura e obras de mobilidade". 
 
Marco Vinholi
 
Marco Vinholi, Secretário de Desenvolvimento Regional de São Paulo, marcou presença no evento. "O Agenda Ribeirão é um evento já consolidado, e eu fico muito feliz por isso. Vivemos um cenário que já sabemos que o Brasil pode patinar, mas oferecemos uma base sólida de crescimento. Precisamos de 3 "Ps": Paz para termos estabilidade e conduzir o desenvolvimento; Planejamento para adotarmos estratégias inteligentes e guiar a economia; e Profissionalismo, afinal, é necessário comprometimento para exercer um papel tão importante". 
 
Rodrigo Garcia
 
O Vice-Governador do Estado de São Paulo, Rodrigo Garcia, também esteve presente, e explicou que Ribeirão Preto (SP) é o Brasil que já deu certo. "Não poderia ser um tema melhor. Mesmo em um contexto de pandemia, um vírus que não conhecíamos, tomamos decisões corretas e a economia girou. Esperamos que em 2021 continue sendo próspero e que 2022 seja melhor ainda. O Brasil dará certo".
 
Mauro Miranda
  
Outra autoridade a prestigiar o evento foi o Superintendente do Desenvolve SP, Mauro Miranda, que salientou o funcionamento da economia. "Temos investido em infraestrutura. Neste ano, liberamos mais de R$ 2 bilhões em capital de giro para microempresários. Fomos os maiores repassadores para linhas de financiamentos, de acordo com o Fundo Geral de Turismo. Então podemos ver que o Desenvolve SP está preparado".